Política

Bolsonaro baixa fundo eleitoral para R$ 2 bilhões

Publicado em
Bolsonaro detona pretensão maior de políticos imorais

Graças a uma ação severa do presidente Jair Bolsonaro, o fundo eleitoral para 2020 será de R$ 2 bilhões, e não de R$ 3,8 bilhões como queriam indecentes políticos em Brasília, inclusive o relator da matéria, deputado Domingos Neto (PSD-CE). Mesmo com a contenção de Bolsonaro, o fundo ainda é uma agressão à vergonha nacional, à população, que vê seus impostos sendo gastos em inutilidades, apropriações indébitas e mordomias vergonhosas.

Alguns líderes assinantes do manifesto em prol da engorda do fundo disseram ser melhor garantir os R$ 2 bilhões para as campanhas do que confrontar o presidente Jair Bolsonaro.

A lista para conseguir um fundo de R$ 3,8 bilhões, assaltando ainda mais os cofres públicos, tinha assinaturas de integrantes do PP, MDB, PTB, PT, PSL, PL, PSD, PSB, Republicanos, PSDB, PDT, DEM e Solidariedade. Eles representam 430 dos 513 deputados e 61 dos 81 senadores. Caso o presidente vetasse a proposta, não haveria recursos para as eleições do ano que vem.

O fundo eleitoral se tornou a principal fonte de recursos de campanhas após a decisão do Supremo Tribunal Federal, de 2015, de proibir a doação empresarial. No ano passado, o fundo destinou R$ 1,7 bilhão a candidatos.

A disputa do ano que vem será a primeira eleição municipal abastecida majoritariamente com recursos públicos. Quer dizer: o candidato vai usar o dinheiro do povo para conseguir um empregão e se profissionalizar na política, buscando inclusive a perpetuação da família no setor, como já ocorre com muitas, como, por exemplo, a de José Sarney. As contribuições de pessoas físicas são permitidas, mas limitadas a 10% da renda do doador no ano anterior. (Fonte “Estadão” – Foto: Reprodução)

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Visitadas

Topo