Cultura

Hoje na História: 1999 – População mundial atinge a marca de 6 bilhões de habitantes

Publicado em
Vista aérea de Tóquio, no Japão, maior zona metropolitana do mundo

MAX ALTMAN

Ópera Mundi

Em 12 de outubro de 1999, segundo estimativa dos demógrafos da ONU, a população da Terra tinha atingido o marco simbólico de 6 bilhões de seres humanos vivos. O então secretário-geral, Kofi Annan, homenageou um bebê recém-nascido em Sarajevo, na Bósnia-Hezergovina, como representante deste momento simbólico.

A humanidade conheceu ao longo de sua história dois grandes surtos demográficos: o primeiro foi o fim da sedentarização dos homens e o desenvolvimento da agricultura no Oriente Médio, na China, no Saara e nos Andes, há menos de 10 mil anos; o segundo se desenrola diante de nossos olhos. Teve início no começo do século XX com a melhoria geral da higiene. Porém, parece estar em vias de acabar.

A agricultura contribuiu para um novo impulso demográfico

Desde os primórdios da humanidade, há aproximadamente três milhões de anos, avaliou-se em 80 mil o número de visitantes humanos sobre a face do planeta. Faz apenas 35 mil anos que a humanidade ultrapassou a marca de um milhão de indivíduos vivos. As glaciações favoreceram a expansão dos homens sobre todas as terras emergentes com a redução do nível dos mares, ligando mais ou menos as terras entre elas. Mais perto de nós, há menos de 10 mil anos, a sedentarização seguida da agricultura favoreceu um novo impulso demográfico.

Duzentos e cinquenta milhões de homens viviam sobre a Terra nos tempos de Jesus Cristo, há cerca de dois mil anos. Cinco séculos depois, no fim da Idade Antiga, a população mundial havia declinado para cerca de 200 milhões de seres humanos, sob o efeito da diminuição da natalidade, das enfermidades e das invasões que afetaram os dois grandes impérios da época – Roma e China.

O crescimento foi retomado, mais ou menos regularmente, em particular com a duplicação da população na China e na Europa no século XVIII em rezão de uma elevação da temperatura e de uma melhoria na produtividade agrícola.

A humanidade atingiu, desse modo, a marca de um bilhão de indivíduos em meados do século XIX. Seu crescimento prosseguiu em ritmo acelerado até o final do século XX – 2,5 bilhões por volta de 1950 e 6 bilhões em 2000, graças à melhoria da higiene e ao progresso da medicina preventiva com as vacinações.

Este dinamismo demográfico caminhou com a melhoria geral nas condições de vida. E isto se tornou mais verdadeiro ainda nos países do Terceiro Mundo que nos países ocidentais do Hemisfério Norte. Num ensaio bem fundamentado, A Revanche do Terceiro Mundo (ed.Robert Laffont, 1987), o historiador demográfico Jean-Claude Chesnais faz caso omisso das profecias sombrias inspiradas no pastor inglês Robert Malthus (1766-1834) e classificadas por esta razão de ‘‘maltusianas’’.

Nos dias atuais, praticamente em todo o planeta, o tamanho das famílias se reduz à medida que as moças adquirem instrução e tomam conhecimento dos seus direitos sociais. A população cresce com cada vez menor velocidade e a explosão demográfica do século XX será, dentro em breve, nada mais que uma longínqua lembrança. Em seguida a essa baixa quase geral no índice de fecundidade no final do século XX, a população mundial deverá chegar ao limte de cerca de 8 a 9 bilhões de almas somente em 2050.

Com exceção da África Negra, cuja fecundidade não parece ceder, e de casos particulares como o do Oriente Médio, onde as rivalidades políticas são acompanhadas de desafios demográficos, todas as outras regiões do mundo vêm conhecendo uma baixa da fecundidade. A América Latina, para surpresa dos especialistas, vem passando por um rápido declive. O caso mais preocupante é o da Rússia, ameaçada de implosão devido a uma natalidade extremamente baixa e em virtude da pressão demográfica da sua vizinha China. (Texto: Opera Mundi – Foto: Wikimedia Commons)

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Visitadas

Topo