Saúde e Beleza

Macrorregião de Teófilo Otôni regride, e só poderá ter serviços essenciais

Publicado em
Teófilo Otôni é uma das cidades que poderão abrir apenas serviços essenciais

Aumento do Covid-19 faz com que regiões Leste, Leste-Sul, Nordeste e Sudeste voltem para fase mais restritiva

Quatro macrorregiões de saúde de Minas regrediram na fase de abertura econômica em função da pandemia. São elas: Leste, Leste-Sul, Nordeste e Sudeste. É o que determina a Deliberação 103, de 18 de novembro de 2020, do Comitê Extraordinário Covid-19, publicada no hoje (19/11/20).

De acordo com o governo estadual, a regressão de fases nas quatro regiões decorre da constatação de que houve um aumento de 11% da incidência do Covid-19 nos últimos 14 dias no Estado.

A maior mudança ocorre na macrorregião Nordeste, que estava na onda verde, com a menor restrição de atividade socioeconômica, e passará para a onda vermelha, na qual apenas serviços essenciais, como supermercados e farmácias, podem funcionar.

Também foi para a onda vermelha a macrorregião Leste, que se encontrava na onda amarela, de média restrição da atividade econômica. Já as macrorregiões Leste-Sul e Sudeste, que tinham a menor restrição, passam para a onda amarela, que permite o funcionamento de lojas de roupas e salões de beleza.

Fazem parte da macrorregião Nordeste cidades como Teófilo Otôni e Nanuque. A macrorregião Leste tem como um de seus municípios Governador Valadares. A Leste-Sul é integrada por Viçosa, e a Sudeste por Juiz de Fora.

Outras nove macrorregiões permanecem na onda verde. O Vale do Aço, por sua vez, se manteve na onda amarela.

Essas definições são atualizadas semanalmente. A previsão contida na Deliberação 103 tem validade entre este sábado (21) e o seguinte (28).

As fases de reabertura econômica estão previstas no Minas Consciente, um plano elaborado pelo Governo de Minas para garantir a retomada gradual e segura da economia nos municípios. Até o momento, 657 cidades mineiras, do total de 853, aderiram ao plano, impactando 13,4 milhões de pessoas, segundo o governo. (Fonte: ALMG – Foto: Arquivo ALMG/Guilherme Bergamini)

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Visitadas

Topo