Economia

Minas é terceiro na receita bruta de serviços

Publicado em

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realiza a Pesquisa Anual de Serviços (PAS), que retrata as características estruturais do segmento empresarial da atividade de prestação de serviços não financeiros no país. Segundo a PAS 2019, existiam no Brasil cerca de 1,4 milhão de empresas prestadoras de serviços não financeiros, empregando 12,8 milhões de pessoas e gerando uma receita operacional líquida de 1,8 trilhão de reais.
Das 12,8 milhões de pessoas ocupadas, 40,8% estavam no setor de serviços profissionais, administrativos e complementares, 22,2% no segmento dos serviços prestados às famílias e 19,3% nos serviços de transporte, serviços auxiliares aos transportes e correio; o restante do pessoal ocupado estava distribuído nas demais atividades de serviços. Os serviços profissionais, administrativos e complementares continuaram como o principal segmento do setor de serviços em 2019, embora tenham perdido 0,5 ponto percentual (p.p.) de participação em comparação a 2010.
Entre 2010 e 2019, Minas Gerais manteve a terceira posição nacional no que se refere à participação na receita bruta de serviços (7,6% nos dois anos mencionados) e no pessoal ocupado (de 9,8%, em 2010, para 9,5% em 2019). Houve uma desconcentração regional da receita bruta de serviços, com o deslocamento da atividade da Região Sudeste em favor, principalmente, das regiões Sul, que cresceu 1,3 p.p., e Centro-Oeste, que cresceu 1,0 p.p. Apesar dessa perda de participação proporcional, o Sudeste se manteve como a região com maior representatividade do setor de serviços não financeiros do país. A Região Sul aparece na segunda posição, seguida por Nordeste, Centro-Oeste e Norte.
Em Minas Gerais, os resultados demonstraram que a atividade de serviços não financeiros empregou, em 2019, cerca de 1.214.383 pessoas, sendo que 38,9% desse pessoal ocupado encontravam-se no setor de serviços profissionais, administrativos e complementares; 23,0% no segmento de serviços prestados às famílias e 21,7% no de transportes, serviços, auxiliares aos transportes e correio. Em relação à receita bruta de prestação de serviços de Minas Gerais, o setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio representa 33,1%, enquanto o de serviços profissionais, administrativos e complementares equivale a 27,6% e o de serviços de informação e comunicação corresponde a 20,4% do valor total da receita bruta de prestação de serviços não financeiros do estado. Em relação ao número de empresas, registrou-se uma concentração das empresas prestadoras de serviços nos setores de serviços profissionais, administrativos e complementares (32,8%).

DADOS REGIONAIS
O salário médio mensal sofreu queda em todas as regiões do país, entre 2010 e 2019. A Região Sudeste foi a única a pagar salários acima da média nacional, apesar de ter tido uma queda de 0,3% salários-mínimos, de 2010 para 2019. O Nordeste continuou como a região a pagar os menores salários.
No âmbito das unidades da federação, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais permanecem nas mesmas posições no ranking nacional, ocupando as três primeiras colocações em termos da participação na receita bruta de serviços (42,9%, 11,7% e 7,6%, respectivamente). Paraná (5,7% de participação) avançou da quinta para a quarta posição, trocando de lugar com o Rio Grande do Sul (5,6%) entre 2010 e 2019. Da mesma forma, Santa Catarina (4,2%) inverteu de posição com a Bahia (3,2%), passando de sétimo para sexto lugar no ranking nacional de participação na receita bruta de serviços.
Na Região Sudeste, São Paulo responde por 67,2% da participação na receita bruta de prestação de serviços, seguido pelo Rio de Janeiro (18,3%), Minas Gerais (11,9%) e Espírito Santo (2,6%). Em relação a 2010, o estado de São Paulo foi o que mais avançou (2,3 p.p.); Minas Gerais apresentou um pequeno avanço (de 11,5% para 11,9%). (Fonte: IBGE – Foto: Sindicato dos Comerciários de São Paulo)

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Visitadas

Topo